VINHOS CATTACINI  
  Merlot Cattacini 2011  
  Peverella Cattacini 2014  
  Clos Cattacini - Gewurztraminer 2014  
  Espumante Rosé
Nature Cattacini 2015
 
  Barbæra - Barbera Cattacini 2015  
  Quíron - Chardonnay Cattacini 2015  
  Vale do Luar - Chenin Blanc Cattacini 2015  
  Espumante Azzul Cattacini Extra-Brut  
  Clos Cattacini - Trebbiano Romagnolo 2014  
  Espumante Santiago
Extra-Brut
 
 
LINHA ZUIM

 
  Zuim Tinto 2013  
  Zuim Espumante Brut  
 
VINHOS PERSONALIZADOS

 
  Rosé La Sagrada Familia - Cattacini 2017  
  ABW - Cattacini - Ribolla Gialla - Fiano 2017  
     

 

A região

O Loire e o São Francisco, separados por um oceano, são dois rios que apresentam características semelhantes.

De um lado o maior curso da França e de outro a maior extensão hídrica em solo brasileiro.

No território francês o Loire cria as condições indispensáveis para estabelecer a região vinícola do Vale do Loire enquanto que por aqui o Velho Chico nos abençoa com o Vale do São Francisco, um oásis onde a viticultura prospera.

Entre as variedades cultivadas no Vale do Loire a emblemática Chenin Blanc se encontra perfeitamente adaptada ao sertão nordestino.

Val de Loire
, como os franceses a chamam, é de onde vêm os mais marcantes e versáteis vinhos produzidos com esta variedade em terras gaulesas. Já em plena caatinga também é desenvolvido um vinho surpreendente com esta casta, o Vale do Luar.

Além destas semelhanças, encontramos uma vitivinicultura inédita, inusitada e improvável, já que está situada na latitude 8º Sul, bem distante das tradicionais faixas onde as principais regiões vinícolas do mundo se encontram, como o Vale do Loire.

Com clima quente e seco e uma pluviosidade bem reduzida, a terra dos Mandacarus, dos jegues e da carne de bode, propicia uma quebra de paradigma no mundo vitícola com duas colheitas ao ano, sendo uma no inverno e a outra no verão.

Para a vinificação do Vale do Luar foi escolhida a colheita de inverno, pois mesmo nesta latitude encontramos nesta época do ano maiores amplitudes térmicas, alta nebulosidade, noites frescas e dias mais temperados, condições ideias para a produção de vinhos mais perfumados, elegantes e com frescor.


A vinificação


A colheita foi realizada manualmente e em duas etapas, sendo uma semana o tempo decorrido entre elas. As uvas foram transportadas para a vinícola em caixas de 20Kg, sendo, logo, selecionadas, desengaçadas e introduzidas na prensa pneumática de onde foi obtido por escorrimento o mosto flor (100%), em ambas as ocasiões, sem auxílio de pressão.

A seguir ocorreu a clarificação estática a frio (10º C), debourbage, por 24 horas.
As uvas da primeira colheita fermentaram por uma semana em barricas de carvalho francês Seguin Moreau e terminam a fermentação alcoólica em aço inox, com estágio de onze meses com bâtonnage nesta cuba.

As uvas da segunda colheita fermentaram e estagiaram, com bâtonnage, por onze meses no Seguin Moreau, utilizado anteriormente.

O vinho final, corte, é uma composição de 42,5% do vinho da primeira colheita, 42,5% do vinho da segunda colheita e 15% de vinho da mesma safra fermentado em inox, sem passagem em madeira, reserva da vinícola. Foram produzidas apenas 1026 garrafas deste exclusivo vinho.


O Vinho


O Vale do Luar – Chenin Blanc Cattacini 2015 foi produzido exclusivamente para a Cattacini, na Vinícola Ouro Verde, em Casa Nova, BA, no Vale do São Francisco, com a variedade Chenin Blanc (100%).

Nesta vinícola uma capelinha, algo muito raro no mundo vinícola, em homenagem à Nossa Senhora da Uva, chama a atenção. Em seu interior uma imagem da santa em madeira, esculpida por um artesão local que se baseou numa fotografia que veio da França: mais uma singularidade, e bem auspiciosa, da região.

Trata-se de um vinho leve, com teor alcoólico de 12,2%vol, e apresenta coloração amarelo palha com nuance dourada. No nariz é franco, frutado e floral, com toques de baunilha e especiarias: um vinho delicado, sutil e elegante.

Na boca é seco, apresenta volume de boca, médio corpo, acidez perceptível e persistente. Percebe-se a perfeita integração entre fruta e madeira. Demonstra bom equilíbrio entre o aspecto olfativo e gustativo, além de versátil em termos de harmonização.

Harmônico e versátil, ideal para acompanhar peixes, carnes brancas, alguns tipos de risotos, massas e queijos, além de pratos da culinária brasileira, nordestina, francesa e contemporânea.


» Análise química

» Ficha técnica

» Ficha de degustação

» Variedades utilizadas

» Registro de produto